Lesão, Artigo 157 do Código Civil: o que é?

Por Beatriz Castro - 28/03/2024 as 14:53

1. Introdução

No vasto campo do Direito Civil brasileiro, um tema que desperta interesse e suscita debates é a figura da "lesão", especialmente delineada no artigo 157 do Código Civil. Esta disposição legal versa sobre uma situação em que uma das partes em um contrato é prejudicada de forma desproporcional, em decorrência de sua inexperiência, ignorância, necessidade ou má-fé da outra parte.

Ao longo dos anos, o conceito de lesão tem sido objeto de análise e interpretação pelos juristas, e sua aplicação tem gerado diversas controvérsias nos tribunais. Afinal, como definir os limites entre a simples desvantagem negocial e a lesão propriamente dita? Quais são os critérios utilizados para avaliar a existência e extensão da lesão em um contrato? Como a jurisprudência tem se posicionado diante dessas questões?

Este artigo busca explorar os fundamentos e implicações da lesão no contexto do Direito Civil brasileiro. Para tanto, serão analisados os elementos essenciais para a configuração da lesão, as consequências jurídicas decorrentes de sua constatação, bem como casos emblemáticos que ilustram a aplicação dessa figura jurídica.

Em suma, este artigo propõe-se a oferecer uma análise sobre a lesão no Direito Civil, contribuindo para o debate acadêmico e jurídico sobre esse importante tema que permeia as relações contratuais em nossa sociedade.

2. Conceito e Definição de Lesão

A lesão, no âmbito do Direito Civil brasileiro, é um instituto que se refere à situação em que uma das partes em um contrato é prejudicada de forma desproporcional em relação à vantagem obtida pela outra parte, em decorrência de sua inexperiência, ignorância, necessidade ou má-fé desta última. Essa desproporção deve ser tão manifesta que torne o negócio excessivamente oneroso para a parte lesada, configurando um desequilíbrio econômico injustificável na relação contratual.

O artigo 157 do Código Civil estabelece que a lesão ocorre quando uma pessoa, sob premente necessidade, ou por inexperiência, se obriga a prestação manifestamente desproporcional ao valor da prestação oposta. Em outras palavras, a lesão é caracterizada quando uma das partes, em estado de vulnerabilidade, é compelida a realizar um negócio que, sob condições normais, não teria aceitado devido à desvantagem econômica evidente.

Nesse contexto, a lesão não se confunde com a simples desvantagem negocial ou arrependimento posterior, mas refere-se a uma situação em que a desproporção entre as prestações é tão flagrante que torna o contrato manifestamente desigual. É importante ressaltar que a lesão não depende apenas da desigualdade de valores, mas também da vulnerabilidade da parte lesada, que pode decorrer de diversos fatores, tais como inexperiência, ignorância, necessidade premente ou má-fé da outra parte contratante.

Assim, a lesão é um instituto que busca proteger as partes mais vulneráveis nas relações contratuais, visando garantir a equidade e a justiça na formação e execução dos contratos. A sua configuração e consequências jurídicas têm sido objeto de análise e interpretação pelos tribunais, a fim de assegurar a efetiva proteção dos direitos das partes envolvidas.

Por meio da aplicação adequada do conceito de lesão, o ordenamento jurídico brasileiro busca promover a segurança jurídica e a proteção dos contratantes, contribuindo para a construção de relações contratuais mais equilibradas e justas em nossa sociedade.

3. Elementos Caracterizadores da Lesão 

No Direito Civil brasileiro, os elementos caracterizadores da lesão, conforme jurisprudência consolidada e doutrina especializada, podem ser divididos em diferentes categorias, destacando-se:

3.1. Lesão Enorme ou Lesão Propriamente Dita:

Refere-se a situações em que a desproporção entre as prestações é tão significativa que torna o contrato manifestamente desigual. Nesses casos, a vantagem obtida pela parte contrária é excessiva em relação ao sacrifício imposto à parte lesada. Essa desproporção é evidente e manifesta, configurando um abuso de direito por parte da parte beneficiada.

3.2. Lesão Usurária ou Usura Real:

Caracteriza-se quando a parte lesada está em uma posição de vulnerabilidade, seja por inexperiência, ignorância, necessidade premente ou outra condição que a torne incapaz de avaliar corretamente as consequências do contrato. A parte contrária se aproveita dessa situação de fragilidade para obter vantagens desproporcionais, ferindo os princípios da boa-fé e da equidade contratual.

3.3. Lesão Especial:

Diz respeito a casos específicos em que a legislação prevê a proteção da parte mais fraca na relação contratual. São situações em que a lei estabelece requisitos e limites para a validade do contrato, visando evitar abusos e assegurar a proteção dos direitos da parte vulnerável. Exemplos incluem contratos de adesão, contratos de consumo e contratos com pessoas em situação de vulnerabilidade específica, como idosos ou pessoas com deficiência.

3.4. Lesão Consumerista:

Refere-se à lesão ocorrida nas relações de consumo, em que o consumidor é prejudicado devido à sua posição de hipossuficiência em relação ao fornecedor de produtos ou serviços. Nesses casos, a legislação consumerista prevê medidas especiais de proteção ao consumidor, visando garantir a sua segurança e a equidade nas relações de consumo.

Esses elementos caracterizadores da lesão são fundamentais para a análise e aplicação desse instituto no Direito Civil brasileiro. Eles permitem identificar situações em que uma das partes é prejudicada de forma desproporcional, garantindo a proteção dos direitos das partes envolvidas e a preservação da equidade nas relações contratuais.

4. Reconhecimento da Lesão

O reconhecimento da lesão no Direito Civil brasileiro pode ocorrer tanto por meio de uma ordem objetiva quanto de índole subjetiva. Essas abordagens consideram diferentes aspectos para determinar a existência e a extensão da lesão em um contrato.

4.1. Ordem Objetiva:

Nessa abordagem, o reconhecimento da lesão é fundamentado na análise dos termos do contrato e das circunstâncias que o envolvem. São considerados elementos como a desproporção entre as prestações das partes, a vantagem excessiva obtida por uma delas em detrimento da outra, bem como a presença de elementos que evidenciam a vulnerabilidade ou a má-fé da parte lesada.

4.2. Ordem de Índole Subjetiva:

Nessa perspectiva, o reconhecimento da lesão leva em conta as condições pessoais das partes envolvidas no contrato. São considerados fatores como a inexperiência, a ignorância, a necessidade premente ou a má-fé da parte lesada, que a tornam mais vulnerável na relação contratual. O enfoque é dado às características individuais das partes e ao contexto em que o contrato foi celebrado, visando identificar se houve abuso por parte da parte mais forte na relação.

Ambas as abordagens são relevantes para a análise da lesão, e podem ser consideradas de forma conjunta para uma avaliação mais abrangente da situação. O reconhecimento da lesão, seja pela ordem objetiva ou de índole subjetiva, visa assegurar a proteção dos direitos das partes envolvidas e a preservação da equidade nas relações contratuais.

5. Conclusão

A lesão no Direito Civil brasileiro é um instituto fundamental para garantir a equidade e a justiça nas relações contratuais. Ao longo deste artigo, exploramos os elementos caracterizadores da lesão, tais como a lesão enorme, lesão usurária, lesão especial e lesão consumerista. Demonstramos como esses elementos são relevantes para a identificação e análise da lesão em diferentes contextos contratuais.

Além disso, discutimos as abordagens objetiva e subjetiva para o reconhecimento da lesão, destacando a importância de considerar tanto os aspectos objetivos do contrato quanto às condições pessoais das partes envolvidas. Essa análise conjunta permite uma avaliação mais abrangente e precisa da existência e extensão da lesão em um contrato.

Por fim, examinamos o que o Código Civil brasileiro estabelece sobre a lesão, especialmente no artigo 157, e em quais casos ela ocorre, destacando a desproporção manifesta entre o valor da obrigação e o da prestação correspondente como critério central para a configuração da lesão.

Em suma, a lesão é um instituto jurídico que visa proteger as partes vulneráveis nas relações contratuais, garantindo a equidade e a justiça na formação e execução dos contratos. Sua aplicação adequada contribui para a promoção de relações contratuais mais equilibradas e justas em nossa sociedade, fortalecendo a segurança jurídica e a proteção dos direitos das partes envolvidas.